Letícia Vieira Lima

As madeiras da Amazônia são fonte de interesse comercial constante, de forma que os estudos são direcionados para questões tais quais durabilidade e trabalhabilidade do material como suporte. A partir das funcionalidades que esses dados dispõem, será investigado as potencialidades das árvores como registros históricos da floresta.

Os impactos socioambientais que a floresta passa ao longo de sua existência podem ser resgatados materialmente na temporalidade quando se direciona o olhar para os seres vivos. As árvores, objeto de estudo desta pesquisa, tem em suas superfície e constituição interna, marcas que remetem às ações externas.

Desde os anéis que registram suas idades até lesões na madeira, tem-se registros que permitem entender a dinâmica pela qual a floresta enfrenta mesmo não tendo vivido o momento em si.

 

A partir disso propõe-se um estudo dessas marcas para a transposição da narrativa cientifica biológica para uma construção visual dos registros históricos que os próprios seres vivos da floresta possibilitam. A floresta se comunica a todo instante e se faz necessário resgatar suas mensagens e coloca-las além do discurso cientifico ambiental; estudá-las sob a ótica poética traz novas pontes com a sociedade para melhor entendê-la.

Trama da floresta – Narrativas de registros

Projeto de iniciação científica PIBIC/UnB

 

Apoio

Laboratório de Produtos Florestais

Serviço Florestal Brasileiro

 

Coordenação Alexandre Bahia Gontijo

<