Amazônia: visualidade gráfica, poética e imaginário é um projeto de pesquisa da Universidade de Brasília que visa compreender as dimensões comunicativas-poéticas da relação homem-natureza-espírito presentes no imaginário gráfico das populações que vivem às margens do rio Tapajós, no Pará. Trata-se de um estudo sobre a visualidade amazônica, uma investigação antropológica/poética/visual, que busca contribuir com o aprofundamento sobre a cultura visual brasileira no contexto da emergência das novas tecnologias. Alter do Chão, PA, e arredores são os locais onde os estudos se desenvolvem.

 

Estudos etnográficos e iconográficos tecem os contornos desta investigação. A construção teórica busca conduzir um processo de criação no qual os conhecimentos relacionados às representações visuais, sua origem, suas característica fundamentais, o sentido e a mensagem, transformam-se em obras gráfico/poético/visuais por meio de seus registros imagéticos e textuais.

 

A arte/design nesta pesquisa surgem como mediação entre disciplinas, estabelecendo uma relação dialógica, transmitindo ideias, conceitos e mensagens. Partindo-se dos conhecimentos originários da floresta, técnicas formais de ordenamento estético de imagens e elementos textuais, auxiliam a construção do saber ligadas à identidade cultural desses povos. A proposta traz um novo viés no processo de investigação que transformará de forma permanente nossa percepção sobre a cultura visual brasileira.

Para além da produção de conhecimentos acadêmicos, este processo tem como meta preservar a cultura tradicional e, ao mesmo tempo, dar visibilidade a esse rico patrimônio cultural que temos neste país.

 

Esse patrimônico cultural está presente nas representações e pinturas corporais dos povos indígenas, um legado cultural antropológico de grande expressividade. De ligações ancestrais na qual religiosidade (contatos com entidades xamânicas) e comunhão espírito-natureza se perpetuam.

 

Esses grafismos retratam a comunicação que se estabelece entre homem-natureza-animais, sendo parte da identidade cultural e cultura material1 - sentido que os objetos têm para um povo numa cultura, memória, legado cultural, algo a ser preservado - desse grupo social.

 

A floresta é um lugar mágico, onde acontecem muitos encontros, e a Amazônia, um lugar de enorme potencialidade. O contato com os ribeirinhos, a comunidade indígena Munduruku e com o rio Tapajós é a base de onde parte a pesquisa exploratória desenvolvida por professores, pesquisadores, estudantes de Pós-Graduação e alunos de graduação da UnB.

1 Cultura material – É tudo aquilo que faz parte do cotidiano da humanidade, independente do tempo e do espaço. Pedro Paulo Funari.